Chá de Bolso - Coluna nova aqui no blog!



Quem é que nunca leu um livro de bolso, ou um livro vendido em bancas de revista?
Histórias românticas, com mocinhas e heróis. Capas lindas e sedutoras. Autoras que hojem publicam no formato "livraria" já escreveram muitos livros de bolso.
Para muitos leitores viciados, livros de bolso são o primeiro amor, o primeiro contato com os livros.
E para, nós, meninas do Chá, não é diferente.
Aqui, todas adoramos livro de bolso e sempre estamos lendo algum, seja antigo ou novo.
Como será que foi a experiência da "primeira vez" de cada uma das blogueiras? Nós contamos para vocês!

Jeanne:
"Eu não lembro como foi o primeiro contato e nem o primeiro livro. Talvez tivesse uns 12 anos. Como minha mãe sempre foi uma grande fã dos livros de bancas, era natural ter muitos livros em casa a disposição. Mas lembro que um belo dia não resisti e levei para o colégio, aí descobri o quanto os livros de banca eram mal vistos. Até os professores criticaram, mas eu não liguei. Continuei lendo e os livros de banca contribuiram em muito para que eu me tornasse a leitora que sou hoje. Gosto de livros polêmicos, onde a mocinha sofra horrores e depois dê a volta por cima.
Florzinhas, históricos e dramáticos, sobrenaturais? Depende do dia, mas, leio todos....
Tenho uma relação de amor e ódio com algumas autoras, mas, pasmem!, continuo lendo seus livros.
Adoro as capas dos livros. E, muitas vezes, através delas, consigo saber se já li determinado livro.
Aprecio muito os romances de banca e estou muito feliz por poder trazê-los para o Chá."
 
Adriana:
"Meu primeiro contato com os livros se deu quando eu tinha uns 12 anos, quando minha avó (mãe da minha mãe), me emprestou um livro do Círculo do Livro, que era nada mais nada menos do que A Herdeira de Sidney Sheldon. Vocês podem imagimar como foi o encantamento com a leitura desse clássico da literatura internacional, e na pré adolescência. Daí em diante foram várias obras do próprio Sidney, da Agatha Christie, da Ane Golon, Janet Dailey...e eu me tornei uma compulsiva...tanto que tenho meu cadastro em vários sebos do Rio de Janeiro, que me ligam se chega um livro daqueles difíceis de encontrar. Quando conheci os livros de banca, na fase dura da vida, entrei em contato com um novo mundo. Já leitora assídua percebi que esses livros eram simplesmente adoráveis, com histórias divertidas, algumas vezes intensas, mas o principal atrativo, além do preço, era o de que eu podia carregá-los para onde eu fosse, eles são companheiros fieis das viagens de carro e ônibus, nos intermináveis engarrafamentos da Ponte Rio- Niterói. Incompreendidos. Objetos de preconceito. Mas, quem nunca se deliciou com um deles não sabe o que está perdendo."

Driza:
"Quando era criança eu via as amigas da minha mãe lendo romances de banca e ficava sempre muito curiosa. Mas eu nunca tinha a oportunidade de ler. Até que no início da adolescência, quando minha mãe começou a me dar um dinheirinho de mesada, comprei um exemplar pra mim. Não me lembro o título, mas depois desse vieram muitos outros, porque eu devorava as histórias, me imaginando no lugar da mocinha e sempre me apaixonando pelos mocinhos. Era mágico! Foram os livros de banca que despertaram em mim o gosto pela leitura. E até hoje não deixei de lê-los. Adoro mesmo!"
 
Patrícia:
"Não lembro o título do primeiro livro de banca que li, mas, tinha por volta de uns 11 anos quando minha mãe me deixou um dia na casa de uma amiga, e ela me deu um livro tipo Sabrina e Julia pra ler. Eu que já adorava ler, principalmente os livros da Coleção Vaga-Lume, descobri um novo mundo, e me apaixonei perdidamente pelos livros de banca; principalmente pelos Clássicos Históricos. E claro, que também descobri o desprezo que muitas pessoas tem por esses livrinhos. Mas, nunca me importei com isso, e tenho o maior orgulho de ser uma leitora de livros de banca."

Medéia:
"Eu lembro da minha idade: 10 anos. Minha mãe havia ganho uma caixa de livrinhos de banca de uma amiga. E estava lá, me esperando, no quarto dela. Não posso lembrar o nome do primeiro livrinho, mas lembro bem que viciei. Eu estava em férias e me lembro de estar deitada na sala, com uma pilha (tinha mais de 10 livrinhos), devorando um por um. Assim como a Jê, eu também logo descobri que livrinho de banca era mal visto, mas não me deixei abater. Li, leio e ainda vou ler muitos do gênero, porque eles são ótimos, distraem, divertem e nos emocionam. Tô achando ótimo termos um espaço no Chá para os livrinhos de bolso (início de muitas grandes autoras)."

Regina:
"Eu tinha 14/15 anos e ganhei um livro (não me lembro se era Julia ou Sabrina), mas lembro bem do título - Escura Manhã da Sara Craven! A mocinha é modelo super famosa e volta para casa para o casamento da irmã (se bem que não era irmã de verdade, pois sua mãe se casou com o pai do mocinho e da noiva). Ela era super apaixonada pelo mocinho, mas era aquela relação de atração/repulsa tão em voga nos florzinhas... Lembro que a irmã aprontava todas e quem levava a culpa era a coitada da mocinha e era uma dureza.... Gente, eu gosto tanto desse livro que uns dois anos atrás comprei um usado e em inglês! Bom, eu li e reli esse livro demais, e depois, eu e uma amiga, que também era vidrada nessas histórias, começamos a trocar livros (outro favorito da época é Gaiola Dourada)e, a partir daí, comecei a ler também outros estilos e autores - tipo Stephen King, que descobri por essa época também através de livros publicados em banca e com preço muito acessível - O Iluminado e Sombras da Noite (que tenho até hoje) me deram muitos sustos, mas essa é uma outra história..."
 
Lili:
"Eu li livros de banca muuuuuuuito tarde, somente aos vinte e poucos anos. Mas, também, depois que descobri, viciei completamente. Na época, queria devorar todos, principalmente os históricos. A minha coleção favorita, onde comecei a ler, foi a COLEÇÃO SUPER, edições especiais da Bianca, Sabrina, Julia e Romances. Gostei tanto que foi por causa desta coleção que resolvi fazer o meu blog comentando a respeito de muitos deles e sem falar da comunidade que criei no orkut só para caçar esses livros. E o melhor é que fiquei conhecendo, através destes livros de bancas, muitas amigas, como a própria Aline aqui mesmo do Chá, e tantas outras que até hoje mantenho contato. O que torna tudo ainda muito mais especial..."
 
Aline:
"Meus primeiros livros não foram de bancas. Comecei a ler muito cedinho, adorava livros. Aos 14 anos, a mãe de uma amiga, encantada com meu passatempo, ofereceu-me uma caixa de livros de banca, todos "florzinhas", com histórias românticas de suspirar. Lembro-me do livro que mais gostei: Luar em Istambul, onde uma moça desiludida pelo amor ia para Istambul passear e conhecia seu grande amor. Hoje, minha coleção tem mais de 600 livros. Sou colecionadora e leitora. Conheci a Lili pela nossa paixão pelas edições Super, depois ela me convidou para o blog, e agora tenho muitas outras amigas. Dizem que quem lê livros de banca é deprimida, sonhadora, iludida, pobre de cultura. Olhando para mim e para as meninas que conheço, leitoras assíduas que já tiveram contato com os queridos livrinhos, vejo que é puro preconceito. Nenhuma delas tem esse perfil. Ler é sempre um prazer, ainda mais se for um romance lindo de bolso."
 
A partir de hoje, o Chá também indica livros de bolso. As blogueiras estão animadas para postar novas resenhas desses queridinhos de todas as mulheres românticas. Sejam eles históricos, contemporâneos, antigos ou lançamentos, o que cair na nossa mão, vamos ler para contar para vocês.
 
Por isso, você que não conhece, aproveite para iniciar nesse mundo de leituras adoráveis e inesquecíveis. Você que conhece, deixe seu comentário contando como foi a sua primeira vez com os livros de banca. E aproveite as nossas indicações na nova coluna. Certamente, todo mundo vai se viciar e ler ainda mais!

13 comentários:

Leninha - sempre romantica disse...

Lembro que eu levava livro de banca para a escola, tinha uma professora de português que dava sempre um horário para leitura e eu escondia um livro de banca dentro de livros clássicos que eu tinha em casa. Era vista pela professora como intelectual por que só lia clássicos, quando na verdade eu lia sim, clássicos de banca de jornal, que amo de paixão, kkkk

Adorei a nova seção do Chá e aguardo ansiosa as dicas de vcs meninas!
Beijão!

Mônica disse...

Não lembro direito quando foi o meu primeiro livro de banca, mas sei que foi bem cedo, acho que os primeiros romances que li eram de banca. Ficava fascinada em frente a uma banca que tinha numa pracinha perto do colégio. E meu sonho era ser dona de uma banca, pois eu admirava a dona desta banca e inveja por ela ler todos aqueles livros de graça.Porém, devo confessar que nunca gostei de ler revista, antes uma palavra-cruzada. Desde sempre minha paixão pelas palavras e por livros.
Muito boa sua nova coluna, é um incentivo à leitura.
Beijos

Evelyn Chen disse...

O primeiro livro que eu li por interesse mesmo foi o Harry Potter, faz uns 12 anos. Meu primeiro romance de banca, não lembro qual era o nome (ohhh memória fraca, naquela época não tinha Skoob), mas uma colega de um antigo emprego me emprestou, lembro que assim que o terminei, queria ir no sebo e comprar um monte de romance de banca, só lembro de como era a história, sobre uma garota que fazia trabalho voluntário e um cara rico, foi uma bela história, acho que era série Bianca. Uma coisa é certa ... hoje em dia tem livro de bolso pra todos os gostos, basta querer ler que os livros trarão histórias que o deixarão feliz por terem lido.

Vivi disse...

Adorável a nova sessão! Eu comecei a ler romances de banca aos onze anos também. Já fui mais viciada, agora os leio mais quando quero relaxar, desanuviar a mente. Funciona, visse? Lembro-me do meu primeiro até hoje. Saudades do bichim...rs
Beijocas

αηδψϊηћα ஐβϊττψஐ disse...

Olha nem lembro qdo foi que comecei a ler esse livros...talvez por volta dos 14/15 anos. Gosto, é divertido, leitura rápida e empolgante...rs
Tenho sentido falta de ler, pois a banquinha que comprava está longe da minha casa agora =/

Andy_Mon Petit Poison

Juliana Vianna disse...

Olá! Gostei muito da iniciativa do blog, pois adoro os romances de banca. Também gostei de saber mais sobre vocês, meninas do chá, e sobre suas experiências com os livros.

Bem, eu não lembro qual foi meu primeiro livro, mas sei que peguei o gosto pela leitura nos anos do Ensino Fundamental, quando conheci a série Os Karas, de Pedro Bandeira, junto com outro livro desse autor, A Marca de Uma Lágrima.
Já os livros de banca comecei a ler há somente um aninho, depois de minha irmã comprar o primeiro da série Milionário do Mês, da coleção Desejo. E pronto, finalmente entrei nesse mundo, onde já não posso sair mais, já que basta meus olhos encontrarem um sebo e de repente eu me achar dentro dele, rs.

Beijos, Ju

Adriana disse...

Gente! Eu amei essa seção! Me lembro que eu lia tanto Sabrina e Júlia tb! E a coleção vagalume eu li muito dos livros da coleção. Hoje em dia procuro em sebos e no estante virtual esses livros da coleção vagalume pra minha filha, ela adora! BJo meninas e obrigada por me levar de volta ao meu passado!

Anônimo disse...

Gostária de conhecer o livro Entre o Poder e a Gloria? Vc sabe algo sobre ele?

christina disse...

Parabens pela iniciativa, ler é sempre bom independente do estilo. Num país de analfabetos funcionais é ridiculo rotular qq tipo de leitura.
Eu sou destas viciadas q leio no onibus, na fila do banco, na sala de espera de dentista, na hora de meu almoço. É um prazer quando vejo em qq destes lugares um jovem (coisa rarissima)lendo um livro. Com certeza assim como já comprei diversos livros do estilo livraria indicados pelo blog se me interessar pela sinopse do livro de banca, vou atras.

aurelia disse...

Nunca tive preconceito, leio até hoje e lembro com saudade de algumas bem antigas.Tenho guardado algumas das minhas preferidas de Clássicos Históricos, as vezes penso em me desfazer por conta de espaço, mas o coração aperta e eles vão ficando.Boa iniciativa.
Bjs.

Mari disse...

Nossa, adorei saber que agora vcs também irão indicar esses livros de bancas...
Ainda existe muito preconceito em relação à esses livros, mas preconceito é opinião sem conhecimento. Eu mesma já tive certo preconceito em relação aos livros de banca, à literatura de mulherzinha, e que dizem não ser literatura. Mas quando li pela primeira vez, com 18 anos, nunca mais parei. Gosto mesmo e não tenho vergonha de admitir. É literatura sim! Traz prazer, entretenimento e conhecimento, pois ler, não importa o que seja, sempre é um aprendizado. O importante é ler o que vc quiser e o que gostar.

Flávia Kelly disse...

Eu me lembro de devorar os livros da minha madrinha!!! Lia muitos ;)

Leninha - sempre romantica disse...

Aguardando ansiosa a primeira postagem de livro de banca, que livro será? tatatata!!!

Postar um comentário

Muito legal ter você aqui no nosso Chá das Cinco!
Quer deixar um recadinho, comentário, sugestão?
Faça valer a sua opinião! Seja educado(a). Gentileza aqui sempre tem vez. Portanto, mensagens ofensivas não serão publicadas.

 
UM LIVRO NO CHÁ DAS CINCO © 2010 | Designed by Chica Blogger. Personalized by Lili and Medéia| Back to top