Ladrão de Almas de Alma Katsu

No turno da noite em um hospital em Maine, Dr. Luke Findley espera ter outra noite tranquila com lesões causadas pelo frio extremo e ocasionais brigas domésticas. Mas no momento em que Lanore McIlvrae — Lanny — entra no pronto-socorro, ela muda a vida dele para sempre. Uma mulher com passado e segredos misteriosos, Lanny não é como outras pessoas que Luke já conheceu. Ele é, inexplicavelmente, atraído por ela... mesmo ela sendo suspeita de assassinato. E conforme ela conta sua história, uma história de amor e uma traição consumada que ultrapassa tempo e mortalidade, Luke se vê totalmente seduzido. 

Seu relato apaixonado começa na virada do século XIX na mesma cidadezinha de St. Andrew, Maine, quando ainda era um templo Puritano. Consumida, quando criança, pelo amor que sentia pelo filho do fundador da cidade, Jonathan, Lanny qualquer coisa para ficar com ele para sempre. Mas o preço que ela paga é alto — um laço imortal que a prende a um terrível destino por toda a eternidade. E agora, dois séculos depois, a chave para sua cura e salvação a depende totalmente de seu passado. 

De um lado um romance histórico, de outro uma história sobrenatural, Ladrão de Almas é uma história inesquecível sobre o poder do amor incondicional não apenas para elevá-lo e sustentá-lo, mas também para cegar e destruir — e como cada um de nós é responsável por encontrar o próprio caminho para a redenção.

Como diz o resumo, Lanny chega ao hospital suspeita de ter cometido homicídio. Luke, o plantonista, não consegue acreditar que aquela jovem pequena e serena seja uma criminosa. Ao atendê-la, os dois começam a conversar e Lanore faz uma revelação que balança toda a vida de Luke: ela é imortal e, realmente, acabou de matar o homem a quem sempre amou!

Lanny então começa a narrar sua vida, começando em 1809, na mesma cidade de St.Andrew, quando ela, aos 12 anos, já estava encantada com o jovem Jonathan St. Andrew, de 14, filho do fundador e do homem mais rico da cidade. Claro que era um amor impossível, pois Lanny era filha de uma família de fazendeiros pobres e católicos (apesar de Lanny  e seu pai frequentarem a igreja protestante). No decorrer da narrativa vamos descobrindo como a amizade e camaradagem entre ela e Jonathan vai crescendo com o passar do tempo. Vamos também percebendo que Jonathan é um rapaz mimado e que usa a grande beleza que possui para seduzir todas as mulheres da cidade, o que não o faz ser muito popular com os homens do local.

Mas um imprevisto faz com que Lanore tenha de se mudar para Boston. E lá, perdida e sozinha, ela conhece Adair e sua trupe, um conde europeu muito rico e cheio de segredos e  vícios que muda drasticamente a vida de nossa heroína. E essa mudança a faz ficar mais segura, mais forte e, claro, imortal... 

Alma Katsu nos conduz com uma narrativa segura e bela. Ela nos transporta ao Maine e Boston de 1800, onde a vida é dura e o trabalho pesado. Nos conduz à Europa de 1300, onde as guerras e o medo e a magia e alquimia impera. E, claro, ao presente onde Luke e Lanny partem numa aventura muito arriscada. 

Adorei o livro, pois ele lembra uma boneca russa, aquela que vem uma dentro da outra, sabem? Tem uma história, dentro da história, dentro da história, e todas muito bem amarradas e surpreendentes! E, claro que agora vou para o próximo, que ainda bem já saiu!

2 comentários:

Jade disse...

Regina, parabéns pelo texto. Trabalho em uma livraria e nada melhor do que ler boas resenhas para saber orientar melhor os clientes... Afinal, é impossível ler tudo que a gente quer e saber a respeito de todos os livros que nos solicitam! Beijão

Patricia Cardoso disse...

Olá Rê,
fiquei curiosa com uma história dentro da história. Dica devidamente anotada. Bjs!

Postar um comentário

Muito legal ter você aqui no nosso Chá das Cinco!
Quer deixar um recadinho, comentário, sugestão?
Faça valer a sua opinião! Seja educado(a). Gentileza aqui sempre tem vez. Portanto, mensagens ofensivas não serão publicadas.

 
UM LIVRO NO CHÁ DAS CINCO © 2010 | Designed by Chica Blogger. Personalized by Lili and Medéia| Back to top