IDENTIDADE ROUBADA de Chevy Stevens


Um suspense psicológico sobre o sequestro de

uma mulher que busca na verdade sua forma de libertação.


Era para ser um dia como outro qualquer na vida de Annie O’Sullivan. A corretora de imóveis levanta da cama com três objetivos: vender uma casa, fazer as pazes com a mãe e não se atrasar para o jantar com o namorado.

Naquele domingo, aparecem poucas pessoas interessadas em visitar o imóvel. Quando Annie está prestes a ir embora, uma van estaciona diante da casa e um homem sorridente vem em sua direção. A corretora tem certeza de que será seu dia de sorte. Mas o inferno está apenas começando.

Sequestrada por um psicopata, Annie fica presa durante um ano inteiro em um chalé nas montanhas, onde vive um pesadelo que deixará marcas profundas.

Identidade roubada é o relato visceral que Annie faz à sua terapeuta dos 365 dias em que ficou à mercê do homem a quem chamava de Maníaco.

As memórias que vêm à luz ao longo de 26 sessões de análise são intercaladas com a história de sua vida desde que conseguiu escapar do chalé: a luta para superar seus medos e se reencontrar, a investigação policial para descobrir a identidade do sequestrador e a sensação perturbadora de que seu martírio ainda não acabou.


Identidade Roubada é um livro de ficção policial, mas, eu o considerei muito mais um drama, pois, o que acontece na vida de Annie O’Sullivan e as consequências dessa desgraça é de fazer chorar por vários dias, tamanha a maldade que alguns seres humanos são capazes de infringir a outro.

Annie O’Sullivan, 32 anos, corretora de imóveis de Clayton Falls, no Canadá, tinha uma vida tranquila: com um emprego estável, um namorado amoroso e uma bela casa com um cachorro no quintal.

Depois de passar o domingo num plantão de vendas de um imóvel, Annie se preparava para ir embora quando o viu Annie o homem que mudaria sua vida se aproximar. Sorridente, com olhos azuis, parecia o cliente ideal: simpático e disposto a fechar negócio.

Após dominar Annie, o homem do sorriso amigável a levou para um chalé isolado nas montanhas, onde a manteve prisioneira durante um ano. No cativeiro, ela estava sujeita a todas as perversidades e delírios do psicopata, como cumprir uma rotina doentia, dormir ao lado de seu algoz, ir ao banheiro em horários rigidamente determinados, dentre outros.
Quando Annie foge do chalé, ela retorna uma outra pessoa e terá que lutar para voltar a ser uma pessoa normal. Porém o trauma a impede de se reaproximar dos amigos e família,  e também faz com que desenvolva comportamentos compulsivos.

Durante a luta para superar seus traumas e medos, Annie irá contar com a ajuda de uma terapeuta. Ao longo das sessões, a analista se torna a única pessoa a quem a corretora pode confiar sua terrível experiência. Aos poucos, ela revive os traumas sofridos naquele ano que teria preferido apagar da memória, uma viagem que a leva a encarar seus fantasmas mais assustadores.


Ler este livro foi muito sofrido pra mim, pois, na luta para se recuperar de toda a maldade que sofreu nas mãos de seu psicopata, Annie tem que se libertar e conta a sua terapeuta todos os detalhes de seus dias no seu cativeiro, e com isso a gente mergulha num mundo de dor, desesperança e completa insanidade.

Em vários momentos tive que fechar o livro e respirar bem fundo para poder prosseguir na leitura, mas, não pense que é um livro ruim, não é, mas é bastante real, e mesmo sabendo que é um livro de ficção fica difícil não trazê-lo pra realidade, haja vista, que existem psicopatas e “Annies” da vida em algum lugar, esperando serem resgatadas.

Mas, como é um livro policial, em meio a consultas de Annie a sua terapeuta, temos a investigação do sequestro dela, e aí é que se torna tudo muito chocante, quando o caso é desvendado, e conhecemos toda a teia que foi criada em volta desse crime.

O livro é pequeno, apenas 254 páginas, mas de uma profundidade, e pra quem gosta de um suspense, o desfecho dessa história é inimaginável.


20 comentários:

Patty disse...

Que triste! De deixar qualquer um deprimido, ainda mais sabendo que pode ser a realidade de muitas pessoas.

Jeanne Rodrigues disse...

Paty,

eu sei que não terei coragem de ler esse livro.
não quero sofrer e chorar com os livros...

Bjos,

FDUARTE disse...

Oi lindinha,

eu sei que não terei coragem de ler esse livro.
não quero sofrer e chorar com os livros...(2)

bjin

Vall Knopp disse...

hummm.... no mínimo curioso. Estou disposta a lê-lo. Fiquei fisgada. Não pelo sofrimento, porque isso somos sabedores da maldade humana, mas pelo desfecho da história. Parece um bom roteiro para filme! :) Bela resenha, sincera e cativante! beijocas e pipocas!

Vall Knopp disse...

achei interessante e quero ler sim! é um bom roteiro para filme! inspirador e intrigante! é bom ter um olhar diferente para assunto tão delicado! :P

kika disse...

parece interesasante....... poderia ser um filme adoro filmes assim.....

Rayme disse...

já li muitas muitas e muitas resenhas deste livro, to muito afim de lê-lo.
eu li 3.096 dias que é neste estilo e adorei.

soumaiseu disse...

Um ano? Jesus! Quanto sofrimento( adoro um drama)...Me identifico com enredos sobre superação, apesar de não serem a minha primeira opção de leitura...enfim, deu vontede de ler!!!
Ah! Amei esse site...conheci por um acaso(sorte!).

soumaiseu disse...

rayssa disse...

Um ano? Jesus! Quanto sofrimento( adoro um drama)...Me identifico com enredos sobre superação, apesar de não serem a minha primeira opção de leitura...enfim, deu vontede de ler!!!
Ah! Amei esse site...conheci por um acaso(sorte!).

Leninha - sempre romantica disse...

Eu adorei esse livro, foi tocante, dilacerante, do jeito que eu gosto.
E que final...

Amei de verdade e leria vários com motes parecidos.
Como minhas amigas dizem: É seu número, Leninha!!!

Juliana Vicente disse...

Eu já tive o prazer de ler este livro, digo prazer, porque ele me tocou profundamente.

Passei alguns dias olhando para trás no caminho para casa ou trabalho, como você disse existe muito disso por aí.

Beijos

Marcia disse...

Oi, Patrícia!

Eu li esse livro por causa dos comentários de outros blogs.
Um pouquinho diferente do que estou acostumada a ler, mas gostei muito.

Abs,

Marcia

Driza disse...

Gostei! Esses livros com emoção a flor da pele me conquistam.

Tomara que consiga le-lo.

bjsss

Thata disse...

Caramba, aja piscopatas (sociopatas ou sei lá mais!) para tanto sequestro! Mas é! rsrs
Parece profundo e bem triste...Basta Papisa Joana (que vocês indicaram, aliás!) para sofrimento!

Bjs

Regina disse...

Paty...

Esse é o tipo de livro que acho que vou adorar! Já estou procurando.

bjs

Cacau disse...

Acho que vou adorar esse livro!

Aline disse...

Paty,

Sempre que vejo esse livro na livraria, penso em comprar, mas nunca trago! Sua resenha modificou minha opinião, quero comprar já!

Bjs

Paula Alves disse...

Ai, não quero ler esse livro. Fiquei triste só de ler a resenha. Pode ter sido escrito como ficção, mas pessoas passam por isso de verdade.
Gostaria de saber como é o final, se o sujeito é preso, se ela consegue superar um pouco do trauma. Mas ler, eu não tenho coragem.

Patricia Cardoso disse...

Como disse a Juliana, eu tb passei dias sobressaltada na rua, pois, a história me marcou demais. Mas pra quem gosta de um drama daqueles, com muito e muito sofrimento vale a pena lê-lo. Beijokas!!!

CCHOCETANDO disse...

Me deixando curiosa,ta anotado aqui"Identidade roubada".
beijos,
Cristina.

Postar um comentário

Muito legal ter você aqui no nosso Chá das Cinco!
Quer deixar um recadinho, comentário, sugestão?
Faça valer a sua opinião! Seja educado(a). Gentileza aqui sempre tem vez. Portanto, mensagens ofensivas não serão publicadas.

 
UM LIVRO NO CHÁ DAS CINCO © 2010 | Designed by Chica Blogger. Personalized by Lili and Medéia| Back to top