AMÊNDOA: Um Relato Erótico de Nedjma


Amêndoa é o testemunho excepcional de uma mulher de origem árabe que ousa transgredir o tabu do sexo e do silêncio. No Marrocos da segunda metade do século XX, Badra conta a história de sua vida, decidida a não medir palavras ou sensações e a honrar a milenar tradição árabe de escrita erótica. No centro de sua narrativa está Driss, a paixão de sua vida, homem refinado e elegante que lhe revela um amor total, arrrebatado, profundamente sensual.

Este velo relato, pertubador e libertino, assinala um verdadeiro acontecimento: pela primeira vez uma mulher muçulmana se exprime com liberdade sobre sua vida íntima. Um livro cheio de volúpia, incandescente, radiosos, mas que é também um ato político: uma reconquista da palavra e do corpo das mulheres árabes.

Badra tem 50 anos e decidiu contar sua história. De sua infância, quando corria descalça, curiosa e despreocupada, debaixo dos loureiros que margeiam o rio em sua aldeia de Imchouk. De sua adolescência, quando foi casada contra a sua vontade, por conveniência, com um homem muito mais velho, que não demonstrou nenhum respeito ou carinho por sua juventude ou virgindade. De sua fuga para Tânger, que lhe abriu um mundo novo onde as mulheres não viviam apenas para seus maridos. Mas a história de Badra é sobretudo a história de Driss, seu mestre e seu carrasco, homem da alta sociedade que se apaixona intensamente pela tímida e ardente provinciana, e que lhe apresenta o amor sob todos os aspectos.

Amêndoa acompanha as etapas da vida de uma mulher muçulmana desvendando suas aspirações e segredos mais íntimos, pela primeira vez libertados da aura de tabu e silêncio que os rodeia. O corajoso livro de nedjma abre uma janela para a intimidade da mulher muçulmana. Com uma mistura de sensualidade e revolta, mostra que esta é acima de tudo uma mulher, e que por baixo dos véus e das proibições existe um mundo de desejos e sentimentos esperando para ser libertado.
“Só a literatura possui uma eficácia de “arma fatal”. Então a utilizei. Livre, crua e jubilatória. Com a ambição de devolver às mulheres do meu sangue uma fala confiscada por seus pais, irmãos e esposos. Em homenagem à antiga civilização dos árabes onde o desejo era declinado até na arquitetura, ondo o amor era livre do pecado, onde gozar e fazer gozar era um dever do crente.”
DO PRÓLOGO

O resumo é bem fiel ao livro, todas as passagens importantes foram citadas acima.
A história de Badra é um relato de uma mulher que se recusou a não viver sua sexualidade, e foi em busca dela. Porém, se apaixonou por um homem que devotou a sua vida a viver todas as transgressões do sexo, no diálogo abaixo entre badra e Driss, temos a mostra do que realmente importava para ele: o sexo, não importava com quem.

“Eu amava Driss e aprendi a lhe dizer isso, ingênua e satisfeita com seu corpo. Ele sorria, meio triste, e me dava tapinhas no rosto, paternal.
- Minha menininha, o que é amar? Nossas epidermes se satisfazem em se esfregar uma na outra. Amanhã você vai encontrar outro homem, vai ter vontade de acariciar a nuca dele, de tê-lo entre as pernas. Eu vou desaparecer.
Eu gritava, horrorizada:
- Nunca!
- Não diga bobagem! Eu, por minha vez, posso encontrar uma mulher, mulheres, ter vondade de lambê-las.
- Eu não gosto quando você fica grosseiro.”

Pois é, não gostei da história da vida de Badra, pois, quando se libertou de um marido, que como ela diz não se importou com sua juventude e virgindade, ela entregou o seu amor à um homem amoral. Outro ponto que desgostei do livro, foi a linguagem extremamente chula, usada por Badra, acredito que seja para chocar, mas, em certos trechos, beirava o ridículo. A leitura pode se tornar interessante, se apenas se focar no erotismo, no sexo “propriamente dito”, sem esperar uma gota de romance, porém, Badra, mesmo estraga isso, pois ela propõe Um Relato Erótico, mas, no meio do caminho, começa a falar de seu “amor” por Driss.

6 comentários:

Driza disse...

Oi Paty,
Eu dou muita risada com diálogos chulos. Não sou desbocada, nem consigo falar palavrões... deve ser por isso mesmo, vai saber, mas o fato é que gostei do trechinho. Se eu tiver a oportunidade, creio que lerei esse livro.

bjs

Jeanne Rodrigues disse...

Paty,

Acho que esse livro não é pra mim...

Não parece ser o tipo de romance que me apetece.

Bjos

Vivi Bastos disse...

Nossa! Aí não está para mim também não...rsrs

Aline disse...

Também não gostei do livro, pelo comentário. Não me agradam livros com essa temática.

aninha disse...

ô gente não li e não gostei perai o livro é ótimo já li e recomendo.
não é obceno,é bem realistico vale a pena conferir.bjs..
ana bertussi

Sophia disse...

Olá autores do Chá das cinco...

Gostaria de mencionar que a autora Jacquelyn Frank ficou de lançar como vcs devem saber o livro nº6 da serie nightwalkers do qual retrata a historia de Jasmine. Gostaria de saber se vcs sabem quando o livro será lançado para que possamos traduzi-lo e lermos ele e nos deleitarmos com mais essa emocionante historia.

* Obs: se puderem me responder via email seria ótimo, velascolorena4@hotmail.com

Obrigada pela atenção

Lorena.

Postar um comentário

Muito legal ter você aqui no nosso Chá das Cinco!
Quer deixar um recadinho, comentário, sugestão?
Faça valer a sua opinião! Seja educado(a). Gentileza aqui sempre tem vez. Portanto, mensagens ofensivas não serão publicadas.

 
UM LIVRO NO CHÁ DAS CINCO © 2010 | Designed by Chica Blogger. Personalized by Lili and Medéia| Back to top