Maldición de amor - Jacquie D'Alessandro

“Who will take this man?” é o titulo original da obra. A tradução livre soa algo como: "Quem vai ficar com esse cara? Quem se atreve?" Como é que é? Já começa assim? De cara pensei: quais qualidades agrega esse homem para sugerir tal título? No mínimo, seria um bad guy. Um ser totalmente anacrônico perdido no conservador período regencial inglês. Ou seria, então, um simplório incivilizado, sem um pingo de traquejo social?

Pelos padrões da época, traquejo social era o que faltava em Phillip Whitmore, Visconde de Greyborne. Perigo era que sobrava e exalava pelos poros dele. Depois de um longo período estudando antiguidades no Egito, ele regressa a sua casa para cumprir uma promessa feita ao seu pai, isto é, acrescentar mais uns galhos à árvore genealógica da família.

Mas, com os pré-requisitos de Phillip, quem quereria desposá-lo?

Ah, não é tão difícil assim, até charmoso ele é! Basta acertar as arestas que denunciam a impolidez do rapaz vestindo-o com roupas finas, relembrando-lhe as regras de etiquetas e, claro, uma boa demão de esforço para extinguir as fofocas de alcova que lhe pesavam nas costas.

Eis um trabalho oportuno para Meredith Chilton-Grizdale, a casamenteira mais famosa de Londres. Com seu incomensurável talento, ela casaria o rapaz com a melhor dama da cidade num piscar de olhos e exporia ao mundo o Casamento da Temporada.

Chegado o dia do casório, Meredith já se imagina recebendo os louros pelo sucesso do evento estampados nas colunas sociais dos jornais londrinos. Mas o laurel não vem desta vez, Miss Meredith. E ponha água fria no balde da pobre casamenteira!!! O casamento não sai. Tudo porque Phillip revela pairar sobre ele uma terrível maldição que afeta também a sua prometida: qualquer mulher que se aventurar a casar com Phillip tropeçará. Em seguida, será acometida de uma forte dor de cabeça e, no diminuto espaço de dois dias, morrerá. (Em nome da praticidade, a noiva já poderia até casar de preto para estar pronta para seu próprio velório).

Cá entre nós, uma desculpa original para fugir de casamentos indesejados. Seria uma bela desculpa se não fosse uma trágica verdade uma vez que a mulher de seu parceiro de trabalho, também amaldiçoado, morrera afetada pela praga.

E agora, como Meredith se safaria dessa? Se ela não conseguisse casar esse homem com alguém seria o atestado de sua ruína. Só a propaganda negativa de seu insucesso já espantaria a clientela. Ajudar o seu cliente a libertar-se da maldição era uma questão de sobrevivência. E Meredith arregaça as mangas e torna-se uma das melhores colaboradoras de Phillip na tarefa de buscar em várias caixas de antiguidades um pedaço de pedra que contém o que pode quebrar o sortilégio.

Nesses encontros, é óbvio, Phillip e Meredith descobrem-se enamorados. E a motivação para encontrar a tal pedra aumenta em igual proporção ao suspense de descobrir com quem estará a pedra. Claro, a pedra não estaria linda e reluzente numa caixa forrada de cetim. Há que sofrer para encontrá-la, e aí, entram os impostores, as ameaças, os socos e os pontapés.

A premissa da história é atípica e bem interessante. A história contém humor e suspense suficiente para entreter. Porém, de um bom tempo que tenho lido o gênero, sei que o suficiente não é o...suficiente. A minha exigência diz que história poderia ter ido mais além. Ou será que o li numa época ruim? Enfim, em minha opinião, a autora planejou um bom enredo e bons personagens; só que na execução a história falhou um pouco. Achei desnecessário desenhar uma mocinha com um passado trágico posicionando-a como a vítima do mundo; não me caiu bem. Além do que, sua postura sempre na defensiva dificultou a química entre o casal. Eu esperava uma Meredith mais bem humorada para contrabalancear o drama e o suspense envolvendo a maldição, a doença do pai de Phillip, etc.

No geral , o livro dá um bom chá das cinco!


Não foi desta vez, mas continuo em busca do romance que vai fazer o meu ano! :P

7 comentários:

Liliane Cristine disse...

Hum, achei bastante interessante!Mas é uma pena a autora ter exagerado ao drama o histórico da mocinha...
Só por curiosidade, esse livro vc leu em espanhol? Nunca ouvi falar desta autora!

Beijos
Lili

Viviane Lima disse...

Lili,

Eu li em espanhol. E se não me engano, faz parte de uma série. Só não sei qual...rsrs

Beijos

Georgia disse...

Vivi, obrigada por aceitar ao convite e por ter nos visitado. Amei o blog com essas dicas de livros.

Boa semana

Beijao

Flavinha disse...

Oi Meninas!
Adorei o blog de vocês!
realmente um cardápio super variado de livros.
Um xero.

Liliane Cristine disse...

Obrigada Flavinha :)

Falando em Blog e aproveitando a deixa... Fiz umas mudanças no meu Blog particular.

Se quiserem me fazer uma visita: "Pegue um livro, senta no sofá e fique a vontade"


Bjs

Lili

Georgia disse...

Vivi, me envia seu email para eu te mandar o questionário.

O meu é esse aqui: saiajusta4@gmail.com


Beijao

rattan furniture disse...

obrigada por aceitar ao convite e por ter nos visitado. Amei o blog com

Postar um comentário

Muito legal ter você aqui no nosso Chá das Cinco!
Quer deixar um recadinho, comentário, sugestão?
Faça valer a sua opinião! Seja educado(a). Gentileza aqui sempre tem vez. Portanto, mensagens ofensivas não serão publicadas.

 
UM LIVRO NO CHÁ DAS CINCO © 2010 | Designed by Chica Blogger. Personalized by Lili and Medéia| Back to top