A Filha da Profecia - Juliet Marillier

Sinopse: Fainne foi criada numa enseada isolada na costa de Kerry, com uma infância dominada pela solidão. Mas o pai, filho exilado de Sevenwaters, ensina-lhe tudo o que sabe sobre as artes mágicas.

Esta existência pacífica será ameaçada em breve, e a vida de Fainne jamais será a mesma, quando a avó, a temida feiticeira Lady Oonagh, se impõe na sua vida.
Com a perversidade que a caracteriza, a feiticeira conta a Fainne que tem um legado terrível: o sangue de uma linhagem maldita de feiticeiros e foras-da-lei, incutindo nela um sentimento de ódio profundo e, ao mesmo tempo, a execução de uma tarefa que deixa a jovem aterrorizada. Enviada para Sevenwaters, com objectivo de destruí-la, vai usar todos os seus poderes mágicos, para impedir o cumprimento de uma profecia.

***

Uma história impelida pelo amor. Mais do que aquele forte desejo e sentimento entre homem e mulher, aqui falo do amor que transcende o controle do ser humano, sobrepujando o bem e o mal.

Como é característica da autora, Juliet Marillier, tal como Sorcha em A Filha da Floresta e Liadan em O Filho das Sombras, Fainne é uma personagem forte e batalhadora, que colocou aqueles que amava acima de tudo e, por esse amor, machucou, mentiu, sofreu e fez sofrer. Porém, movida por esse mesmo amor, afastou a dúvida que tinha de seu poder e descobriu todo o bem que poderia fazer.

O amor esteve presente em todas as páginas de A Filha da Profecia. Quando Fainne era criança e tinha o ainda menino Darragh como único e melhor amigo e companheiro de brincadeiras, era o amor infante que a fazia enfrentar o inverno à espera do verão e com ele a volta de Darragh; Fainne aprendendo com Ciarán a arte da magia, era por amor ao pai que fazia-o; foi por amor aos animais que libertou-os do farsante na feira; foi pelo amor à sua família de Sevenwaters e seres míticos que enfrentou e conseguiu vencer toda a maldade da avó; e, no final, só pelo amor pode trazer Darragh de volta para a vida, para sua vida.

E todas as maldades que ocorreram, é certo que suas ações eram devido ao fato de ter sido ameaçada pela avó e, perante a ameaça do mal que ela podia infligir a aqueles que ela amava, olha o amor aqui de novo!

Claro, existe também na história o amor belo entre duas pessoas apaixonadas:

Liadan e Bran: “Através da soleira podia ver a minha tia Liadan e um homem que devia ser o Chefe, porque estavam os dois perfeitamente imóveis, abraçados e de olhos fechados, como dois jovens que tivessem descoberto pela primeira vez o amor.

As mãos dele estavam enterradas nos cabelos sedosos dela, que tinham escapado da fita e lhe caíam pelas costas. A testa dela descansava na curva do pescoço dele. Eu tinha a certeza de que nenhum deles estava consciente de outra coisa que não aquele abraço e o bater de ambos os corações. Não conseguia desviar o olhar...

... Nunca pensara que um homem e uma mulher de trinta e cinco anos de idade, ou mais, pudessem possuir tais sentimentos um pelo outro, fazendo com que tudo o mais desaparecesse das suas mentes. Pensava que o amor era uma fantasia, uma ilusão da juventude...

... Era por isso que olhava, sabendo, do fundo do meu coração, que o que estava a ver era tão encantador e contínuo quanto totalmente inesperado. Enchia-me de uma estranha e dolorosa tristeza.”

Fainne e Darragh: “— Darragh — disse eu. — Aqui não há nada para ti. Nada senão eu, as aves marinhas e o tempo. Isto não é vida para ti. — De qualquer modo, continuei agarrada à única coisa que tinha; compreendia, agora, que algumas coisas são demasiado preciosas para serem abandonadas.

— Tudo o que sempre desejei foi ter-te a meu lado e a estrada à nossa frente — disse Darragh. — Isto é a mesma coisa.

...

— Rapariga tonta — disse Darragh gentilmente. — Nunca percebeste, pois não? Nunca chegaste a perceber como te amo, como te desejo, de tal modo que quase não conseguia impedir-me de te tocar, sabendo que, se começasse não conseguiria parar e com medo de te fazer algo que te assustasse e te fizesse fugir para sempre? Acontece conosco, homens, Caracóis, este querer; mesmo agora... — ele olhou para o próprio corpo nu e de novo para cima — mesmo agora, cheio de frio, sabes...? — E sorriu torcidamente.

...

E, juntos, começamos a longa subida para o calor do abrigo; para uma nova vida. Porque parecia que o destino dele era o meu destino e o meu o dele, ali, naquele lugar marginal, naquele lugar onde a terra e o fogo, o ar e a água se encontravam e separavam de novo, doce e misteriosamente, numa dança eterna.”

Uma história lindíssima, daquelas que a gente lê sem se cansar, sem necessidade de parar pra comer ou dormir, as horas passam e quando você olha no relógio diz: já passou tanto tempo assim? , pois é, passou e você nem percebeu de tão prazerosa que está a leitura.

12 comentários:

Jeanne Rodrigues disse...

Driza,

como ainda estou lendo esse livro, não vou ler seu comentário pois quero ter todo tipo de surpresa.

Bjos

Liliane Cristine disse...

Driza,

Obrigada por compartilhar essas partes do livro. Tenho saudades da série... Dizem que esse foi o pior livro da série. Eu discordo. Mais, na verdade não tem pior. São todos excelentes.
Difícil sim é achar um livro tão bom quanto.
Mas eu não desisto ;)

Bjs

Lili

Vivi Bastos disse...

Lindo comentário. Muito apaixonado!

Beijos

Adriana disse...

Driza!
Adorei o comentário.

Essa série me deixou com muitas saudades dos grandes livros, daqueles que não desgrudamos enquanto não acabamos...e mesmo que eu seja um pouco reticente com a trama no que envolve um tanto de seres míticos como se fossem reais, os desta história não interferem no desenrolar dos dramas humanos que a autora desenvolveu para seus personagens!
Bj!
Adriana

Regina disse...

Comentário maravilhoso. Preciso ler esses livros logo...

bjs

Patricia Cardoso disse...

Amei a trilogia, e em especial este livro, pois, foi um dos que mais sofri com a personagem.

Driza disse...

Oi meninas,
O livro realmente é incrível. Ainda continuo gostando mais de A Filha da Floresta, mas a série toda tem um altíssimo nível.

Lili, não é que as pessoas não gostem desse livro, elas não gostam é da Fainne, pelo mal que ela cometeu. Acham que ela deveria ter enfrentado logo a avó, sem medo. Eu, no começo, tb tive essa idéia, mas Fainne ainda estava aprendendo do que era capaz, então encontrei uma desculpa pelos seus erros.

bjs

Fernanda Neves disse...

Olá, meninas.... muito legal este blog...Serei assídua aqui... vocês podem me ajudar? Estou com dificuldade de achar o livro "A filha da profecia". Foi lançado no Brasil? Onde posso encontrar o livro? Obrigada. bjs

Convênio ABRE/SEBRAE disse...

Também estou com dificuldades de encontrar "A filha da profecia" já foi lançado?

***Moira*** disse...

Meninas, eu encontrei o III Livro na Livraria Cultura, só que está em português de Portugal. Bj!

ana lucia Scarpa disse...

Ola meninas..... eu não acho esse livro pra comprar em nenhum lugar...alguem tem algum site pra indicar para eu poder comprar?

ana lucia Scarpa disse...

Ola meninas..... eu não acho esse livro pra comprar em nenhum lugar...alguem tem algum site pra indicar para eu poder comprar?

Postar um comentário

Muito legal ter você aqui no nosso Chá das Cinco!
Quer deixar um recadinho, comentário, sugestão?
Faça valer a sua opinião! Seja educado(a). Gentileza aqui sempre tem vez. Portanto, mensagens ofensivas não serão publicadas.

 
UM LIVRO NO CHÁ DAS CINCO © 2010 | Designed by Chica Blogger. Personalized by Lili and Medéia| Back to top